arthur petry Facebook Twitter YouTube Instagram

11/08/2016 - Apego emocional

 

 

 

Dentre os apegos, o emocional é o pior deles. O material é fácil de se conseguir satisfazer a vontade pois atua numa simples parte do cérebro e com apenas dinheiro consegue-se satisfazê-lo, já o emocional só com reparos de outros apegos emocionais e que trarão consequências por vezes deveras maléficas para a psique do indivíduo e para outros em sua volta devido as suas ações.

O apego emocional nada mais é do que dar sentido a algo como se esse algo fosse especial, o único floquinho branco de neve. Como se sua vida dependesse disso, como mais uma cor da tinta usada para preencher o nada e dar um sentido a vida junto com as outras tintas.

Quando se perde um apego emocional repentinamente busca-se outro para dar sentido ao vazio que se encontra (como um escritor que se vê abismado pelo término da sua criatividade no meio de seu livro, buscando complementa-lo para dar um final mais digno), e agarrará ao primeiro que encontrar a sua frente, sendo bom ou ruim. Atua diretamente nos sentimentos, deixando o indivíduo por vezes louco ou debilitado emocionalmente, agindo contra a razão. Mas ao contrário do escritor, nada dará certo no final, por isso é necessário livra-se desta ilusão.

O indivíduo afetado pela perda desse apego deveria de antemão estar ciente desse fato, pois quando perdê-lo já estará tarde demais.

Há também o fato de que um indivíduo dá sentido emocional a um objeto material, envolvendo dois apegos, sendo ainda mais prejudicial.

Livrar-se do apego emocional, reconhecendo a insignificância que o é por nosso cérebro busca-lo de forma instintiva, por pura e espontânea vontade é a melhor decisão que um indivíduo pode escolher antes do livramento da apegação material.

Alguns dirão que o indivíduo ficará louco se retirar as tintas que dão sentido a existência. Mas é preciso se livrar das tintas para verificar o que está atrás delas sem a poluição visual das mesmas e colher o silêncio, ou até mesmo fazendo novas pinturas mais belas e conscientes.

 

Autor: Allan Gomes

 

Outras matérias


SEXO CASUAL É UM LIXO

O futebol está em festa: Espanha e Bélgica de regresso a casa

Psicologia de Massas

Todos nós somos pedras.

Argel e os nerds do jornalismo esportivo

UM MINUTO DE SILÊNCIO